O dilema das escolhas

30/10/17

As escolhas são tão presentes na vida adulta quanto o ar que respiramos.

Escolhemos o que vestir, o que comer, o que assistir na TV, escolhemos se vamos cozinhar ou pedir uma pizza, se vamos estudar no sábado à noite ou sair com os amigos.

E essas são escolhas simples... há outras mais complicadas, como escolher a profissão que vamos seguir, escolher a pessoa com quem vamos dividir nossa vida, escolher o lugar que iremos morar por muitos anos... E tantas outras.

Há quem diga que não tem escolha. Será mesmo? Eu acredito que sempre temos escolha, como já afirmava o filósofo Sartre, que dizia que o fato de não escolher nada já é uma escolha, “a escolha de não escolher”.

Mas se nós adultos temos que fazer por conta e risco tantas escolhas diariamente, por que não aprendemos a escolher com mais assertividade, segurança e objetividade?

Por que as pessoas adiam suas escolhas?

Þ    Enquanto você está aí decidindo se abre ou não um negócio próprio, alguém já abriu!

Þ    Enquanto você está aí pensando se troca de emprego, alguém foi lá e conseguiu a vaga que você queria.

Þ    Enquanto você está analisando o que faz da sua vida... A vida já passou e você deixou de fazer!

Ah, então não devemos pensar? Claro que devemos! Devemos pensar, considerar as alternativas e depois DECIDIR.

A questão é que tem gente que não decide... que deixa a oportunidade passar... que fica à mercê da decisão e das escolhas dos outros.

E como fazer isso?

Há alguns passos importantes que facilitam a tomada de decisão.

1° Gere opções - Se pergunte o que fulano faria no seu lugar, ou vá lá e pergunte pessoalmente: “fulano, o que você faria se...” Isso ajuda, pois muitas vezes não conseguimos enxergar todas as possibilidades.

2° Selecione - Depois de levantar o máximo possível de opções, é hora de selecionar. Para isso considere quais das opções são realmente viáveis: se é mesmo necessário e se você tem como realizar:  tempo, dinheiro, recursos. Fique com as 3 ideias mais viável.

3° Decida - considere o seguinte:

 

O que ganha fazendo

 

 

O que perde fazendo

O que ganha não fazendo

O que perde não fazendo

 

 

 

 

E por último, mas não menos importante: faça!  

 

CARREIRA em EVOLUÇÃO

Marina Pozzer

Psicóloga | Coach de Carreira e Liderança

Sócia Diretora na Virtude Consultoria

Atua no desenvolvimento de pessoas e organizações, como facilitadora e consultora.

Sua missão é contribuir para tornar as pessoas o melhor que podem ser e favorecer a construção

de empresas saudáveis.